26 de mai de 2009

Poema Títtulo

Poema título

(puro na metalinguagem?)




.thiago coutinho-silva      (2003)

Classe Social e Folclore

Planos plenos.

Poderes e pudores...

-deveres e dores... puros rumores?


Pretos sem pratos... pavores.

Favores

e muitos fervores.


Pois é, a vida é só ida...sem volta.




.thiago coutinho-silva                         (2007)

Escritor

O leitor pressente o presente

E faz do ético o estético.


O autor etílico e patético

Não sabe nem o que sente

Infelizmente

Uma feliz mente

Tenta perdurar como eterno.

Sem sucesso.

Sem emoção.




.thiago coutinho-silva                     (2003)

recém-só

Quando tudo perdido

Faço lhe um pedido meu bem

Pois ficar sem você

É difícil,

E para que eu não me jogue de um edifício,

Amenize a situação,

Diga me que será também

Uma nova chance de sermos felizes

Com outras pessoas

Nesse mundo não tão nosso

Não tão vosso

Não tão só um inferno com Deus.


Daí eu sofro

Mas sem remorsos seus.




.thiago coutinho-silva                             (2002)

Ter Fé?

Ex- dizimista...

Agora Dizimado.

Hora otimista,

misto de solidão

e de ser amado.





.thiago coutinho-silva                            (2006)

Faz parte (versão 2)

faz parte da arte da terra ou de marte,

as cores as flores os amores,

coisas passadas e ou pesadas,

sentidas e sem sentidos,

como a dor

ou seja o que for

faz parte

até coisas a parte

como

sexo

ou algo desconexo

complexo

como sofrer, morrer

ou querer

ser

artista

ou até mesmo

cientista.





.thiago coutinho-silva                  (2002)

Demarcação

na beira do rio

no fim do espaço

há um traço

que demarca o que é e o que não é.




.thiago coutinho-silva                                (2002)